Quilatagens das ligas do Ouro

 

O ouro, na forma como é extraído, é bastante mole. A dureza do ouro medida pela escala de Mohs é de 2,5 a 3, similar à dos minerais calcita e gipso e bem mais perto da baixa dureza de um mineral chamado talco (1 na escala de Mohs) do que à dureza do diamante (10 na escala de Mohs). Quanto menor for a dureza do mineral, mais facilmente ele será riscado por outros elementos.

Isso significa que o ouro, como ele é estraído da terra, tem pouca resistência a riscos. Se o ouro fosse empregado "PURO" na confecção de jóias, as peças amassariam ou perderiam a forma ao menor impacto, além de serem riscadas com facilidade.
Para fazer jóias duráveis, é necessário um metal mais duro e, consequentemente, mais resistente, e é por esse motivo que o ouro costuma ser fundido em ligas de diferentes quilatagens: para ganhar a resistência necessária para ser empregado em artigos de joalheria.


Quilates

 

Os quilates dos metais preciosos é uma unidade de pureza e é representado pela letra K maiúscula. O ouro puro tem 24K. Cada quilate indica 1/24 do todo.

Da mesma forma, as denominações "750", "MIL", etc., pressupõem um todo composto por mil partes, sendo que na liga de ouro 18K há 750 dessas partes de ouro e 250 partes de outros metais, como prata e cobre, em proporções diferentes, o que inclusive influencia na cor do ouro: branco, rosa, amarelo, etc.

Não devemos confundir a quilatagem do metal precioso com a unidade de medida de peso representada pela sigla ct (escrita sempre em letras minúsculas), usada para pesar diamantes e outras gemas. Neste caso, um quilate, ou 1ct, equivale a 200 miligramas (0,200 grama).

Ouro Puro

Puro, o ouro costuma ser chamado de “ouro mil”, “ouro fino” ou “ouro 24K”.

- Ouro mil  – terminologia usada na Europa
- Ouro 24K – terminologia americana
- Ouro fino - expressão bastante popular no Brasil

Na Inglaterra, é comum encontrarmos joias de 9K e 12K. Nos Estados Unidos, são comuns as joias de ouro 14K, e mesmo as de 10K.

 

Ligas de Ouro

Vários metais podem ser usados nas ligas de ouro. Prata, cobre, zinco, paládio e níquel são os mais utilizados.

É a proporção dos outros metais que são agregados ao ouro puro que determina o teor – ou quilatagem – final da liga, ou seja: quando dizemos que uma aliança é de ouro 18K ou ouro 750, afirmamos que aquela joia foi fabricada com 75% de ouro puro e 25% de outros metais (liga).

Assim, quando vendemos a um cliente uma joia de ouro 18K que pesa oito gramas, estaremos entregando seis gramas de ouro puro e dois gramas de prata, cobre, níquel ou de outros metais que foram fundidos na liga da qual foi feita aquela joia.

No ouro 18K temos 18 partes de ouro puro e 6 partes de liga. No ouro 14K, temo 14 partes de ouro puro e 10 partes de liga.
 

 


A dureza do ouro “ligado”, ou seja, misturado a outros metais, pode variar muito em função do teor da liga. Assim, ao manusearmos lâminas de ouro da mesma espessura, com os mesmos metais na liga, fundidas nos teores 18K, 14K e 10K, etc., notaremos que o aumento de resistência da lâmina é proporcional ao aumento da porcentagem de outros metais na liga: a lâmina de ouro 10K é mais resistente que as lâminas de 14K e 18K. Uma lâmina da mesma espessura em ouro puro (24K) será a mais flexível de todas.

 

 Por outro lado, o tipo de metal usado nas ligas pode aumentar ou diminuir a dureza do ouro obtido. Por exemplo, na liga de ouro branco, que leva níquel, o zinco é também adicionado para deixar o ouro mais mole, pois o níquel, usado para dar a cor branca, endurece muito a mistura. Ligas com muito níquel ficam tão duras que deixam o metal mais difícil de se trabalhar do que a platina, que é o mais duro dos metais brancos, tornando a cravação de gemas quase impossível.

Os modernos processos de fabricação produziram outras escalas para medir a dureza, levando em consideração que as máquinas atuais são muito sofisticadas e devem ser ajustadas para a “deformação plástica” oferecida pelas diversas ligas, para um correto funcionamento e resultado impecável. 

 

Escala de Brinell


 

A Escala de Brinell serve para verificar o grau possível de deformação do metal. Através desta tabela, podemos perceber que algumas características do ouro puro são modificadas quando ele é misturado a outros metais. Por exemplo: sua flexibilidade (ou maleabilidade) diminui enquanto sua resistência ao risco aumenta.

Nas joalherias, observamos que alguns brincos fabricados em ouro amarelo têm o sistema “pino e clips” em ouro vermelho ou ouro branco. O mesmo acontece com o clips de alguns prendedores de gravatas, sistemas para chaveiros ou fechos. Isto ocorre porque tanto o ouro vermelho/rosa quanto o ouro branco são mais “duros” que o ouro amarelo, resistindo melhor ao esforço a que estes componentes das joias são submetidos.


Densidade relativa


Outro exemplo de alteração nas características do ouro ligado é a densidade relativa. Quanto maior o teor de liga, menor será a densidade relativa e, portanto, maior o volume ocupado por peso de metal.

Ouro Puro - 19,32
Ouro 22k - 17,7
Ouro 18k - 15,4
Ouro 14k - 13,93
Ouro 9k - 11,04

 

Obs.: estas densidades podem variar um pouco de acordo com os componentes da liga. Uma liga que contenha estanho em sua composição terá maior densidade do que uma liga que contenha zinco. Isso significa que, num suposto cubo feito de ouro puro (24K), com 37,5 cm de lado e com peso superior a uma tonelada, se fosse fabricado em ouro 18K, deveria ter seus lados maiores para possuir o mesmo peso.


fonte: InfoJoia